Enviar ArtigoGostou do nosso site? Então contribua com um artigo!

«Tancos: Falta saber muita coisa para isto estar esclarecido» Moita Flores

Ao contrário do que se afirma, as polícias não dirigem inquéritos. Fazem investigação. Quem dirige é o Ministério Público. Portanto é preciso saber:

TANCOS:

Tal como aqui escrevi, ainda nem se falava no célebre memorando que deu cabo deste ministro, Tancos era novela para muitos mais episódios. Falta saber muita coisa para isto estar esclarecido. Ao contrário do que se afirma, as polícias não dirigem inquéritos. Fazem investigação. Quem dirige é o Ministério Público. Portanto é preciso saber:

1 – Quem deu as ordens para um grupo de Guardas Republicana de Loulé atravessar o País e vir recolher armas à Chamusca? Não foi o sargento, de certeza. Não tem poder para invadir os territórios que são de outros colegas. Foi o seu comandante? Ou o seu comandante pedir autorização à hierarquia e a um nível superior?

2 – Como foi possível apreender as armas sem conhecimento do Ministério Público? A PJ Militar não responde à hierarquia militar, mas directamente ao ministro da Defesa e ao Ministério Público.

3 – Sabendo-se que estão por prender dois ou dos três autores materiais do crime de furto, porque não estão presos ainda, se a PJ já os identificou? Desconfio que estão para chegar mais fardas aos calabouços?

4 – Como podem altas patentes do Exército continuar nos seus postos quando souberam do encobrimento e o calaram e consentiram?

5 – Como é que está instalada esta cultura perversa contra o Estado de Direito, onde se ignora o Ministério Público, que dirige o Inquérito, em nome de coisas mais ou menos difusas como a honra, a lealdade, a defesa dos interesses nacionais?

6 – As poucas escutas que vieram a público revelam que a hierarquia do exército tinha como preocupação colocar a ‘bandeira’ sobre as armas apreendidas. O que é isto? Justifica a sucessão de crimes cometidas por tantos oficiais? Os interesses nacionais são tutelados por órgãos de soberania e neste caso concreto pela Procuradoria Geral da República. É por ser uma mulher que não é reconhecida a sua legitimidade?

7 – Isto não é uma guerra de Polícias. Foi a PGR quem determinou que a PJ fosse a entidade responsável pela investigação. É uma ordem legítima. Quem foi o oficial superior que mandou desobedecer à Procuradoria Geral da Republica?

Ou tudo isto é esclarecido ou, como é hábito, a culpa é dos soldados, ou seja do mexilhão que apenas obedece a ordens.

Francisco Moita Flores

Comentar este artigo

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *