Enviar ArtigoGostou do nosso site? Então contribua com um artigo!

Só o voto massivo contra os partidos políticos da corrupção poderá iniciar o caminho da mudança que Portugal precisa.

O fim da destruição nacional, pode ser travado por um meio rápido, pacífico e ordeiro: basta o voto massivo nas próximas eleições legislativas nos partido políticos fora do arco da governação. Apostar em partidos novos, sem vícios, sem cadastro, com garra e que sempre estiveram ligados à denuncia e combate da corrupção.

Só o voto válido contra os partidos que há 40 anos, claramente, nos desgovernam, os pode travar. Como já se percebeu, ao fim de anos e anos com abstenção, nulos e brancos a atingir valores que rondam já os 60%, essas opções não possuem valor ou poder, são totalmente inofensivos.

Só voto massivo contra os partidos políticos da corrupção mudará Portugal!

O voto contra a corrupção

Segundo a Recomendação de 13-05-2015 do Conselho Europeu, relativa ao Programa Nacional de Reformas para Portugal, a prevenção da corrupção é prejudicada por uma aplicação ineficaz do quadro jurídico em vigor, havendo necessidade da implementação de um novo quadro legal com o agravamento das respetivas sanções criminais e civis.

O Estado Português é hoje considerado pelas instituições internacionais, como a Transparency International, como sendo um dos mais corruptos do mundo, estando no terceiro lugar da união europeia depois da República Checa e da Lituânia e o quinto mais corrupto do mundo!

A corrupção em Portugal é hoje tão feita às claras que já não espanta que uma Câmara Municipal contrate por amiguismo, em clara violação do código da contratação pública, o gabinete de advogados do vice-presidente distrital do seu partido político.

Ou, um ministro do Governo, também sem concurso público, possui o seu escritório de advogados a fazer o contencioso de um novo banco, o qual é suportado pelo aval do dinheiro dos contribuintes.

A 1ª Parceria Público Privada da Ponte Vasco da Gama, já custou ao estado o suficiente para construirmos 3 pontes iguais, mas nenhum Governo se atreveu até hoje a pôr fim ao roubo do dinheiro dos contribuintes que são e serão as PPP, nem sequer escutámos nenhum outro partido na Assembleia da República a fazer esta denúncia..

É inegável que a austeridade é uma enorme mentira para legitimar a roubalheira de Estado levada a cabo pelos partidos políticos instalados em Portugal há mais de 30 anos.

Mas, o fim da destruição nacional, com a abrupta mudança de Portugal, pode dar-se por um meio rápido, pacífico e ordeiro: basta o voto massivo nas próximas eleições legislativas no partido político que se apresente com a clara opção em pôr fim ao regime estatal da corrupção.

Comentar este artigo

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *