Enviar ArtigoGostou do nosso site? Então contribua com um artigo!

SINTRA ARDE SEM PARAR… VOLTAMOS AO MESMO

O incêndio deflagrou às 22h50 numa zona de mato cerrado. Mais de 430 bombeiros estão a combater o incêndio, apoiados por, pelo menos, 127 veículos.

Está neste momento ativo um incêndio de grandes proporções que começou numa zona de mato cerrado, junto ao Convento da Peninha, em Sintra. O incêndio deflagrou por volta das 22h50, e está a ser combatido por 431 bombeiros, apoiados por 127 veículos, indica o site da Proteção Civil.

O presidente da câmara de Sintra, Basílio Horta, fez um ponto de situação alarmante à CMTV, quando estava no posto de comando no combate ao fogo: “É uma coisa terrível, estou no posto de comando, mas se calhar temos de ir embora porque o fogo está a descer e está a chegar aqui. Estão quase 400 homens a combater mas não temos meios aéreos”. Audível no contacto telefónica era o intenso vento que se fazia sentir na zona do incêndio.

De início, as chamas começaram numa zona sem povoações perto, mas a intensidade do vento alastrou o incêndio com bastante velocidade. De acordo com o que apurou o Observador, há casas a ser evacuadas na povoação de Biscaia (perto da praia do Guincho). Também a aldeia de Almoinhas Velhas (Alcabideche) estará a ser evacuada.

O Presidente da República já está em Sintra, tendo reunido com Basílio Horta nos Paços do Concelho. Marcelo Rebelo de Sousa chegou aos Paços do Concelho cerca das 00:45 para acompanhar, juntamente com o presidente da autarquia, a evolução do incêndio.

O fogo, impulsionado pelo vento, está também perto da localidade da Malveira da Serra, no concelho de Cascais.

Logo do início do combate às chamas, o destacamento da GNR em Sintra contactou o Comando Distrital de Operações de Socorro de Lisboa.

Segundo o Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas, a Capela de Nossa Senhora da Penha ou Santuário da Peninha “é um edifício situado numa elevação da Serra da Sintra, na freguesia de Colares, no concelho de Sintra, em Portugal. Foi edificada no fim do século XVII por Frei Pedro da Conceição”. O fogo deflagrará assim “no extremo oeste da Serra de Sintra, sobranceiro ao cabo da Roca”. Este é um dos dois incêndios em curso de momento no país e aquele que tem uma dimensão mais preocupante.

Entretanto, em nove minutos (entre as 00:16 e as 00:25) deflagraram em Odivelas e Sintra mais três incêndios considerados preocupantes pela Proteção Civil. O primeiro teve início às 00:16 em Agualva-Cacém (Sintra, distrito de Lisboa) e está a ser combatido por cinco homens e uma viatura. Às 00:21 outro fogo foi detetado no Bairro dos Carrascais (Odivelas), envolvendo agora 14 homens e 4 carros. O terceiro fogo é em Caneças.

Horas antes do início deste incêndio na Serra de Sintra, o comandante operacional da Proteção Civil Pedro Nunes tinha chamado à atenção para o perigo das atuais condições meteorológicas. O risco de incêndio vai manter-se elevado em todos os distritos até ao dia 10 de outubro, completou.

“Para os próximos dias, podemos esperar condições meteorológicas muito idênticas aquelas que temos vindo a observar desde dia 1, ou seja, um tempo seco, com bastante vento, moderado a forte, com especial incidência nas terras altas. A humidade relativa vai permanecer extremamente baixa, quer no período diurno quer no período noturno”, tinha afirmado do comandante.

Comentar este artigo

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *