Enviar ArtigoGostou do nosso site? Então contribua com um artigo!

Quanto mais corrupto é o país, mais infeliz é o povo.

DINAMARCA, O PAÍS MAIS FELIZ DO MUNDO. O INCRÍVEL PAÍS ONDE SE REFERENDAM OS ELEVADOS IMPOSTOS E O POVO DECIDE MANTER A CARGA FISCAL. PAGAM IMPOSTOS COM PRAZER, MESMO SENDO OS MAIS ELEVADOS DO MUNDO, O PAÍS ONDE AS PESSOAS DETESTAM RECEBER SUBSÍDIOS…

No top 5 dos países mais felizes do mundo está a Suécia/5, a Holanda/4, Suiça/3, Noruega/2, Dinamarca/1. Nos últimos lugares do top da UE, estão Portugal no honroso penúltimo lugar e a Bulgária, no último. Impressionado?

O Dia Internacional da Felicidade foi no dia 20 de Março, mas por cá, não há grandes motivos para celebrar: os portugueses estão no grupo de cidadãos europeus menos satisfeitos com a sua vida.

É na Finlândia, Dinamarca e Suécia que há cidadãos europeus mais satisfeitos: os três países dão nota 8 à sua satisfação com a vida.

O estudo divulgado pelo Eurostat concentra-se no indicador de satisfação com a vida porque ele é “um indicador-chave de bem-estar subjectivo”. “A satisfação com a vida é um conceito multi-dimensional que é muito moldado por vários factores sócio-demográficos, que conduzem a situações de vida distintas, bem como a diferentes expectativas e preferências”, lê-se no destaque da publicação.

Surpreendentemente, ou não, não é o salário que mais contribui para os europeus estarem satisfeitos com a sua vida. “As condições de saúde são um dos factores determinantes na satisfação com a vida, à frente de outros factores como a posição financeira, a situação do mercado laboral ou as relações sociais”, conclui o Eurostat. jornaldenegocios

Para chegar ao ranking, a ONU fez perguntas diretas ao povo a respeito de sua felicidade e otimismono momento, além de perspectivas de vida. Depois, a pesquisa levou em conta o PIB per capita da população, expectativa de vida saudável, percepção de corrupção no país e liberdade, por exemplo.

Com elevados índices de educação, saúde e renda, a Dinamarca ficou no melhor lugar. Mas o que, realmente torna os dinamarqueses felizes é “o extremo grau de confiança que as pessoas têm umas nas outras e nas instituições”, segundo o professor de Economia Christian Bjornskov, doutorado em “Felicidade e economia” pela Aarhus Business School.

“Nós perguntamos ás pessoas se elas acham que desconhecidos são dignos de confiança. Cerca de 70%, na Dinamarca, confiam. No Brasil, esse índice é de apenas 7%”, compara o professor.

A confiança que os dinamarqueses têm nas instituições do seu país – especialmente políticos e polícia, também os torna um povo mais feliz. “

Para um brasileiro, confiar nos políticos pode parecer estranho, mas a Dinamarca conta com um sistema de justiça que não deixa corrupção impune. Até 1840, explica Bjornskov, quem fosse apanhado em esquemas de corrupção passaria o resto da vida na cadeia.

O professor acredita que essas políticas rigorosas tenham tido como resultado a honestidade atual na política: “Você vai rir, mas o último grande escândalo político que tivemos por aqui foi quando um ex-primeiro ministro não conseguia justificar todas suas despesas”. Quanto dinheiro foi gasto sem explicação? “Cerca de 145 dólares. Aquilo foi um escândalo”. O professor se refere a Lars Lokke Rasmussen, que foi primeiro-ministro entre 2009 e 2011.

Os países onde as pessoas são mais felizes, segundo a ONU

Não é só no ranking de felicidade que a Dinamarca aparece entre as primeiras posições.O Índice de Desenvolvimento Humano (IDH), um dos principais medidores de qualidade de vida, do país é de 0.901. O IDH avalia critérios da educação, economia e saúde para classificar de 0 a 10 os países. Quanto mais perto do 1, melhor.

Na Dinamarca, a esperança de vida também está entre as mais elevadas do mundo. Em média, um dinamarquês vive até aos 79 anos, cinco a menos que o Japão, primeiro no ranking com esperança de vida de 83,6 anos.

No país, gasta-se mais de 5.600 dólares anualmente com saúde por pessoa, o que dá um total de 11,2% do PIB. O resultado do investimento aparece nos números: mais de 90% das crianças receberam as principais vacinas necessárias no primeiro ano de vida e 98,5% dos partos são assistidos por profissionais capacitados.

O país também tem notas altas quando avaliamos a educação. Segundo o Index de Educação, publicado pela ONU, a Dinamarca tem 0.993, empatado em primeiro lugar com Austrália, Finlândia e Nova Zelândia. 99% dos homens e mulheres são alfabetizados.

O salário anual dos dinamarqueses é de 30.777 Euros anuais. Para se ter ideia, um brasileiro ganha em média 9.321, Euros por ano. Em alguns países, como os Estados Unidos, o salário médio é maior (os norte-americanos recebem mais de 39.483 Euros anuais), mas na Dinamarca os gastos com serviços de saúde, educação, e outras necessidades sociais, são totalmente grátis.

Mesmo em outros rankings que consideram critérios mais gerais, a Dinamarca destaca-se. Segundo a Instituição Legatum, o país foi é um dos mais prósperos. Estão ainda em primeiro lugar no empreendedorismo e oportunidades. É o 12º país no ranking de competitividade do Fórum Económico Mundial e a taxa de desemprego é das mais baixas da Europa.

Segurança: É considerado um dos países mais seguros do mundo e o 7º melhor país do mundo para se viver e trabalhar, de acordo com o ranking 2013 OCDE.

Fonte: Apodrecetuga

Um video muito elucidativo de como todos os critérios acima referidos, afectam a vida das pessoas:

Comentar este artigo

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *