Enviar ArtigoGostou do nosso site? Então contribua com um artigo!

Paulo Morais: “CGD desvia fundos das vítimas dos incêndios para equipar Hospitais”

«Inacreditável !!
A CGD está a utilizar os donativos para as vítimas dos incêndios de Pedrógão para equipar Hospitais. Com que mandato, com que legitimidade estão a desviar os fundos das vítimas?»

Paulo de Morais

A Caixa Geral de Depósitos (CGD) vai alocar 500 mil euros para equipar unidades de saúde da região de Coimbra que têm estado a cuidar das vítimas dos incêndios que voltaram a afectar aquela zona no passado domingo.

Numa conferência a propósito do Dia Internacional da Erradicação da Pobreza, organizada esta terça-feira [17-10-17] em Lisboa pelo Montepio, o presidente executivo da CGD, Paulo Macedo, disse que, dos 2,6 milhões de euros angariados pelo banco público [Conta Solidária Caixa “Unidos por Pedrogão Grande”] para as vítimas do incêndio que deflagrou em Junho em Pedrógão Grande, alastrando a outros concelhos e deixando mais de 60 mortos e que estão a ser geridos pela Fundação Calouste Gulbenkian, “uma parte já foi para projectos concretos e cerca de 500 mil euros vão ser aplicados junto de instituições de saúde para equipar as que tem ajudado as populações, quer nas unidades de queimados quer noutras, na zona de Coimbra”.

Questionado sobre se a Caixa irá replicar esta iniciativa para apoiar as vítimas dos incêndios deste domingo na zona Centro, que fizeram 37 mortos, Paulo Macedo não se comprometeu e disse apenas que vai ponderar.

“Neste momento, a nossa preocupação tem de ser que esses fundos sejam aplicados. Houve uma generosidade dos portugueses muito maior do que a que era esperada e o que nos interessa saber é se esses fundos estão a ser aplicados, e estão”, respondeu aos jornalistas à margem do evento.
(fonte: CM)

* * * *
Recorde-se que a Conta Solidária Caixa “Unidos por Pedrógão Grande” encerrou com um saldo de € 2.650.975,60 para o qual contribuíram mais de 36.000 doadores.
Finalidades de actuação:
A reconstrução e reabilitação das primeiras habitações;
A reconstrução ou reabilitação de anexos agrícolas;
A recuperação dos meios de subsistência das famílias mais gravemente afetadas;
O apoio às associações de apicultores com alimentação sólida para as abelhas.

Comentar este artigo

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *