Enviar ArtigoGostou do nosso site? Então contribua com um artigo!

PASSOS “PODE VOLTAR” AO PSD E TENTAR GOVERNAR PAÍS

Pedro Passos Coelho poderá estar a equacionar um regresso à política activa, tentando até um regresso à governação do país. Marques Mendes admitiu que esse cenário passa “pela cabeça” do antigo primeiro-ministro.

Desde logo, Marques Mendes considera que o ex-primeiro-ministro entende que “a sua obra está inacabada”.

Daí que, revelou Marques Mendes na SIC, Passos possa estar a pensar em regressar à liderança do PSD.

“Se quiser voltar, tem todas as condições”, adiantou Marques Mendes, também ele antigo presidente dos sociais-democratas.

Passos Coelho, que recusou ser condecorado por Marcelo Rebelo de Sousa com a justificação de ser ‘demasiado cedo’ para receber tal distinção, deixou uma mensagem ao país que, no entender de Marques Mendes, pode ter a seguinte leitura.

“Ainda não é um reformado político”, quis dizer Passos ao país.

Marques Mendes sublinhou na SIC que não falou com Passos Coelho sobre o cenário de um regresso à política activa mas tal “é legítimo”.

O comentador e antigo líder do PSD teceu ainda uma consideração sobre este tema.

“Acho que lhe passa pela cabeça [regressar à liderança do PSD e tentar ser primeiro-ministro]”, disse.

E acrescentou: “De alguma forma, ele acha que a sua obra está inacabada, é preciso ver que nunca perdeu uma eleição, ganhou duas eleições e depois afastaram-no do poder.”

Marques Mendes sustenta que um eventual regresso de Passos Coelho dependerá dos resultados da próximas eleições legislativas.

“Vai depender muito muito se o PS ganhar, se o PS tem ou não maioria absoluta…”, disse, na SIC.

Ainda que reconheça que “a imagem de Passos no país ainda é uma imagem desgastada”, Marques Mendes salienta que no PSD a situação é distinta.

“Se Passos quiser voltar, tem todas as condições dentro do partido. Nem precisa de fazer campanha. Tem um grande apoio dentro do partido. Tem uma avenida pela frente.”

Na altura em que se despediu e saiu da ‘cena política’, Passos Coelho explicou que “há uma altura para tudo”.

Comentar este artigo

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *