Enviar ArtigoGostou do nosso site? Então contribua com um artigo!

Coronel diz que militares não conseguiam defender paiol por causa de “directiva política”

Uma tomada de posição que põe a nu o que é a realidade das nossas Forças Armadas.

O Coronel António Feijó publicou uma mensagem viral no Facebook que está a incomodar o Governo.

Trata-se de por o dedo na ferida e de mostrar que, mesmo que existissem “sentinelas” (vulgo patrulhas) estas não podiam defender o paiol por causa de uma directiva política.

Não se vê nada disto na TV. Continuamos a ignorar que foi por culpa do desgoverno deste país que isto aconteceu. Não há vergonha na cara destas pessoas?

Lê aqui a mensagem na íntegra:

O que aconteceu com o paiol de Tancos foi realizado por quem sabe e tem capacidade para o fazer, não olhando a meios, incluindo, muito provavelmente, a eliminação de quem, eventualmente, se lhes opusesse. Poder-se-á aventar a hipótese que, se por acaso, a ronda militar apanhasse em flagrante este grupo, muito provavelmente seria neutralizada ou até eliminada. E sabem porquê? É que as sentinelas nos nossos quartéis andam sem carregadores municiados nas armas e apenas dispõem de um outro, nas cartucheiras, com poucos cartuchos e lacrado. Em resumo: NÃO PODEM DEFENDER AS INSTALAÇÕES QUE LHES SÃO CONFIADAS, MESMO QUE O QUEIRAM: retirar o carregador vazio, deslacrar o que levam na cartucheira, colocá-lo na arma e disparar é uma impossibilidade, porque antes – já foram desta para melhor.

E isto a que é devido? A uma directiva política que proíbe os militares de defenderem o que é da sua responsabilidade. Não têm cobertura legal e, por conseguinte, há uma ausência de regras de empenhamento conformes que lhes dêem a capacidade de serem oportunos no cumprimento da a sua missão com eficiência e eficácia. Assim, actualmente, se uma sentinela, no exercício da sua missão, disparar a sua arma em defesa do pessoal, das instalações ou do material que lhe estão confiados, uma coisa é certa: está metido numa encrencada que pode resultar na sua prisão e pagar grossa indemnização ao(s) “coitado(s)” de um ou mais assaltantes.

Continuando: o Exército está a cumprir com grande dificuldade as suas missões – que lhes são cometidas pelo poder político -como deve ser – à custa de enormes sacrifícios dos seus militares – que os fazem devido ao seu inexcedível profissionalismo, ao espírito do Dever e, principalmente, ao seu amor à Pátria.

Este Ramo das FFAA está a trabalhar aquém dos mínimos em pessoal. Segundo consta, tem menos de uma dezena de milhar de homens nos quadros orgânicos aprovados. Mesmo assim, não regateia esforços e, exemplo disso, é a sua presença na Colômbia, no Mali, no Afeganistão, Iraque e em outras partes do Mundo. Por cá, encontramo-lo nos treinos operacionais para render os seus militares nos Teatro de Operações onde estão empenhados, apoiar as populações desprotegidas e a combater incêndios com grande eficiência e descrição.

A descredibilização da Defesa e a Segurança do País tem sido uma constante dos agentes políticos que têm exercido o poder, sejam de que partido forem. Olham para a estrutura do Estado, como uma sua quinta para colocarem os seus boys na manjedoura do orçamento. E se dúvidas houver, basta olhar para a Protecção Civil e SIRESP. Choram lágrimas de crocodilo. Já é tempo de dizer BASTA!

Comentar este artigo

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *