Enviar ArtigoGostou do nosso site? Então contribua com um artigo!

BANCO DE PORTUGAL VAI GASTAR SÓ NUM TERRENO €40 MILHÕES DE EUROS PARA NOVA SEDE

O Banco de Portugal está a negociar com o BCP a compra dos terrenos que podem vir a receber a nova sede operacional da instituição, em Lisboa. Segundo apurou o Observador junto de fontes conhecedoras do processo, os terrenos em causa são os que pertenciam à família açoriana Bensaúde, na zona das Laranjeiras/Alto dos Moinhos. Terrenos que, depois de terem passado pelas mãos do malogrado empresário Carlos Saraiva, foram parar ao património do Millennium BCP.

A sede histórica na Rua de São Julião, na Baixa, reabilitada no final da década passada e onde está o Conselho de Administração do Banco, mantém-se, em conjunto com o Museu do Dinheiro adjacente. Mas o objetivo é o de construir um grande edifício do Banco de Portugal onde se centralizem os serviços e gabinetes que estão distribuídos pelos dois principais locais onde o Banco de Portugal tem, atualmente, escritórios.

Atualmente, os serviços e gabinetes estão dispersos entre o Edifício Portugal, na Avenida Almirante Reis, um imóvel onde trabalham mais de 800 pessoas que foi inicialmente projetado para ser um hospital, tornando-se propriedade do Banco de Portugal na década de 70, e a Rua Castilho, onde a instituição arrendou escritórios para concentrar as novas atividades relacionadas com a supervisão e onde trabalham cerca de 400 pesssoas. Além destas, o Banco de Portugal tem unidades dispersas em zonas como os Olivais (centro de recuperação de desastres) e a Avenida da República (fundo de pensões).

No total, a nova sede quer albergar as cerca de 1.400 pessoas que trabalham no Banco de Portugal e centralizar as operações num mesmo local, garantindo uma capacidade de expansão e uma eficiência que hoje não existem. Não foi possível apurar, para já, os valores que estão em cima da mesa nesta possível aquisição, mas um estudo feito internamente pelo Banco de Portugal revelou que as várias eficiências operacionais e redução de custos permitem rentabilizar em três décadas o investimento que é previsível, caso se confirme.

Os terrenos nos quais o Banco de Portugal está interessado ficam numa zona que tem uma parte de parque verde aberto ao público, o Parque Bensaúde — ou seja, a Câmara é um dos proprietários dos terrenos adjacentes àquele que o Banco de Portugal quer comprar.

O Banco de Portugal fez um estudo sobre as diferentes hipóteses, nas zonas mais centrais da cidade, que poderiam albergar a nova sede operacional. Desse estudo, resultou um número reduzido de alternativas — nenhuma das quais era património do Estado — mas foi feita uma opção pelo terreno nas Laranjeiras e essa é a única hipótese que está a ser negociada. O terreno está no balanço do BCP depois de uma execução de garantias sobre o empresário Carlos Saraiva, que tinha vários hotéis de luxo em todo o país (incluindo ilhas) através do falido grupo CS.

O Observador contactou, oficialmente, o Banco de Portugal, que preferiu não fazer comentários. O proprietário do imóvel, o BCP, também foi contactado mas não quis comentar.

Para que o negócio avance, o Banco de Portugal está à espera que o proprietário garanta junto da Câmara Municipal de Lisboa que o terreno pode ser utilizado para o fim em questão (edificabilidade e acessos, entre outros aspetos), para não correr o risco de o Banco de Portugal comprar o terreno e acabar por não poder construir a sede (o que seria proibido pelos estatutos do Banco de Portugal, que apenas pode deter ativos imobiliários para corresponder às necessidades da instituição).

Esta não é a primeira vez que o Banco de Portugal tem um projeto para criar uma nova sede operacional. No passado, chegou a haver tentativas para mudar as operações do banco para a Praça de Espanha e, depois, para a zona do Parque das Nações, projetos que viriam a não ser bem sucedidos. A ideia é a de fechar a negociação ao longo do próximo ano — 2017 — ainda que um projeto desta envergadura demore, naturalmente, algo como oito ou nove anos a concretizar. Pelo que, a avançar, a inauguração já deverá ser feita por uma próxima administração, que não a liderada por Carlos Costa.

Segundo a última noticia do Expresso o terreno está a ser negociado por €40 milhões para acolher edifício para 1500 pessoas. Quanto custará o resto?

1 Comentário

Comentar este artigo

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *